Atualização: Segunda a Sexta-feira

Domingo estamos de plantão

As informações foram inseridas neste site no dia: 18/11/2019

[Imprimir está página]

[Dê a sua opinião]

[Comunicar erros]

 

 

Joelcy Jose Sá Lanzarini


Economista, especialista em finanças, mestre em desenvolvimento socioeconômico. Professor universitário nas áreas de finanças empresariais, mercado de capitais, elaboração e análise de projetos, matemática financeira, análise de investimentos, estrutura e análise de balanços, mercados agroindustriais e gestão de pequenas empresas.
Vasta experiência na área de Mercado de Capitais onde atuo como professor, investidor e estudioso da área, sendo que os trabalhos de conclusão de curso da graduação e da pós-graduação foram nesta área. Experiência em gestão administrativo-financeira em cooperativa de pequeno porte e consultor em empresas de pequeno porte.
Curso de aperfeiçoamento profissional em Cálculos Periciais, registrado junto ao CNPEF.

 


 

OS DESAFIOS PARA MANTER A EMPRESA COMPETITIVA

Manter uma empresa funcionando e competitiva é uma tarefa cada vez mais difícil, haja visto que a velocidade das transformações é cada vez maior. Empresas que hoje são líderes de setores necessitam acelerar o seu processo de inovação e renovação, sob pena de sucumbir. Mas o que vem causando todo este frisson no mercado? Pode-se dizer que a culpa é da disrupção, que nada mais é que o surgimento de produtos ou serviços que surgem, criando um novo mercado e que acaba por desestabilizar os concorrentes já estabelecidos naquele segmento de mercado. Geralmente estes produtos ou serviços são mais baratos e de mais fácil manuseio do que os que já existem no mercado e que trazem consigo uma característica que é a facilidade de utilização dos mesmos. O termo “disrupção” foi criado por um professor de Harvard, Clayton Christensen. Segundo o professor, o capitalismo funciona em ciclos e a cada nova revolução destrói a revolução anterior e toma seu mercado. Segundo o “papa” da inovação, Michael Mc Queen, Segundo Mc Queen, um grande drama de empresários e executivos atualmente é evitar que suas empresas sejam ultrapassadas por concorrentes melhores, ou mais rápidos, ou simplesmente mais baratos. É possível se preparar para isso? O que as companhias de sucesso devem fazer para se manter no topo? Para que as empresas se mantenham competitivas precisam agregar a sua filosofia empresarial três princípios, os quais dominarão o futuro. O primeiro princípio é  Pensar em “revolução” e não em “evolução”. A maioria das empresas pensa em evoluir seus produtos e acabam gastando muito e perdendo tempo pensando assim, ao invés de testar novas ideias. Segundo McQueen, “evoluir é importante, mas sempre há um momento na história em que é preciso trazer revolução. Estamos nesse momento”. O segundo princípio é Ter foco em solucionar o “atrito”. “Tudo aquilo que dificulta a vida das pessoas, que frustra e irrita os consumidores em geral, no momento em  que eles pensam em fazer negócios com a sua empresa, é um ‘atrito’”. A empresa que tiver a capacidade de resolução destes atritos é a que se manterá na liderança deste mercado. As que não se preocuparem em resolve-los, serão suplantadas por processos disruptivos. O terceiro princípio é “Ser paranoico de maneira saudável”. Para continuarem na liderança, defende McQueen, as empresas precisam pensar sempre no que coloca seus negócios em risco. “Nenhuma empresa de sucesso pode resistir à disrupção”, diz McQueen. Para adotar essa postura paranoica, o consultor afirma que são necessários dois componentes: “fome” e humildade. A “fome” nos negócios ajudará o empreendedor a procurar por mais e querer fazer sempre melhor. Já a humildade ajudará a empresa a reconhecer que não sabe de tudo e entender que sempre poderá encontrar novas maneiras de crescer sua companhia.

 

BITCOIN - O que é?

O Bitcoin surgiu em 2008 como uma resposta à crise financeira, com a ideia de substituir o dinheiro físico que usamos e, principalmente, tirar a necessidade de intermediação dos bancos nas operações financeiras. A criptomoeda apareceu pela primeira vez em um artigo publicado por Satoshi Nakamoto. O texto descrevia como funcionava esta moeda digital e criava o sistema que posteriormente passou a ser chamado de “blockchain”, que é como um livro-razão que registra todas as operações. Seu uso foi pensado para ser exatamente uma moeda digital, usada para realizar compras e fazer transações de forma segura, anônima e com rapidez.. O Bitcoin usa um código complexo, que não pode ser alterado, e todas as transações são protegidas por criptografia. Cada transação é validada por um grupo de pessoas, chamadas de mineradores, por meio de computadores, que gravam estas operações na blockchain, garantindo a segurança de todo o sistema. É também por meio do processo de mineração que se criam novos bitcoins. Conforme os mineradores validam as operações, eles vão completando cada “bloco” do sistema (por isso o nome blockchain). No artigo de Nakamoto, foi estipulado que haverá no máximo 21 milhões de bitcoins em circulação. As criptomoedas vem sendo aceitas a cada dia mais em vários mercados e vários países do mundo. Inclusive o Facebook está pensando em criar a sua própria criptomoeda.

 

Comprar ou alugar um imóvel. Qual a melhor alternativa?

Este é um dilema recorrente na vida dos brasileiros. Certamente que já vimos e ouvimos defensores das duas possibilidades. Mas o que levar em consideração na hora de tomar esta importante decisão? Bem, aos defensores da compra do imóvel, considere o valor total do mesmo. Se você tem o dinheiro em mãos considere quanto você ganharia investindo seu dinheiro no mercado financeiro. Se o valor dos juros for maior que o valor de um aluguel, talvez você precise analisar com mais calma esta aquisição. Se por outro lado você irá tomar financiamento junto a um banco para comprar este imóvel, verifique qual o CET – custo efetivo total do financiamento, que é o somatório dos juros, seguros e taxas cobradas pelo banco. Hoje você encontra no mercado duas possibilidades de financiamento. A primeira é composta por uma taxa fixa e mais a TR – Taxa Referencial. A segunda é corrigida pelo IPCA, o qual replica a inflação do período. Em momentos de inflação baixa a segunda opção tende a ser mais vantajosa para o tomador do crédito. Porém, é preciso lembrar que já tivemos a inflação na casa de mais de 10% ao ano em período recente. Caso isso aconteça, o valor da prestação pode se tornar impagável. Tome cuidado para que o valor da prestação seja menor que 30% da sua renda. Em outros tempos, quando a Taxa SELIC estava na faixa de 10% ao ano ou mais, o valor dos juros cobria o custo de locação do imóvel desejado e ainda sobrava uma parte significativa para ser guardado. Então, naquele momento valia a pena alugar. Hoje com a SELIC em 5% ao ano, talvez não seja vantajoso alugar. Outro ponto importante é a questão da valorização do imóvel. O preço dos imóveis tem um ciclo que gira entre 10 e 15 anos. Dentro deste período tem momentos que o preço está no mínimo e em outros momentos está no máximo. É salutar que você procure a orientação de um especialista, que poderá ajudá-lo a entender o momento dos preços para que você faça um bom negócio.

 

Queda da Taxa SELIC estimula a portabilidade do financiamento

Para o cidadão que financiou sua casa junto a rede bancária, o momento atual é de buscar as ofertas que outros bancos estejam fazendo para que ocorra a “portabilidade do financiamento”. O que é a portabilidade? É quando o mutuário troca a dívida para outro agente financeiro que ofereça menor taxa de juros e menor CET – Custo Efetivo total, que é o somatório da taxa de juros, tarifas, seguros e taxa de administração da conta. Com a queda da taxa Selic, hoje é possível encontrar ofertas de bancos com taxas de 1 a 1,5% ao ano menor que a taxa que atualmente se paga. Mas que efeito isso tem no valor da prestação para o mutuário? Segundo o presidente do Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP), Basílio Jafet, uma redução de 1 ponto percentual na taxa total do empréstimo imobiliário pode resultar em uma economia de até 15% no valor das mensalidades. Por exemplo: um mutuário que paga uma prestação do valor de R$ 1.500 mensais, pode ter uma redução de até R$ 200 no valor da prestação. Porém, o cliente está sujeito aos custos de avaliação do imóvel e do registro no cartório depois da portabilidade, pois é necessário baixar o gravame anterior e fazer novo gravame na matrícula do imóvel. Segundo informações apuradas em cartório de registros de imóveis, estas mudanças gerarão um custo em torno de três mil reais para o mutuário. Porém, antes de pedir a portabilidade, busque assessoria de profissionais que possam auxiliá-lo na tomada de decisão.

 

Indicação de investimentos

Onde investir atualmente o nosso rico dinheiro atualmente? Em momentos de taxas de juros negativas em diversos países da Europa, no Japão e nos Estados Unidos, nós também por aqui vemos a rentabilidade mensal de nossas aplicações financeiras ficarem menor a cada período. Para o investidor conservador, que preza pela segurança da rentabilidade, a ideia é permanecer em ativos de renda fixa, que mesmo pagando pouco, tem a garantia da renda mensal. Para os investidores que aceitam correr maiores riscos, é possível investir em ETF’s – Exchange Traded Funds – que são índices de ações criados para apurar o rendimento do índice em relação ao desempenho individual das ações. Na Bovespa é possível encontrar diversos ETF’s. O mais famoso é o BOVA11, que replica o desempenho do Índice Bovespa, além de outros. Já é possível para o investidor brasileiro qualificado investir um ETF’s de ações norte americanas. O IVVB11 é um ETF criado pela Black Rock, a maior gestora de ativos do mundo, que visa replicar o desempenho do índice S & P 500, ou seja das 500 maiores empresas norte americanas negociadas nas bolsas Nasdaq e Dow Jhones daquele país.

 

 

 

Participe de nossa enquete:

O que você pretende fazer com suas reservas financeiras no ano de 2020?
Comprar casa
Comprar carro
Estudo dos filhos
Casa na praia
Viajar
Cirurgia estética
Fazer investimentos mais rentáveis
Capacitação profissional

 

[Imprimir está página]

[Dê a sua opinião]

[Comunicar erros]

   

 Must See Places In Paris